8 sinais de AVC em mulheres que você nunca deve ignorar

O que é um derrame ou acidente vascular cerebral (AVC)? Muitas vezes, ouvimos que alguém sofreu um derrame, mas é provável que a maioria das pessoas não saiba exatamente o que é.

O acidente vascular cerebral, comumente conhecido como derrame, é o infarto cerebral causado quando o fluxo de sangue em uma parte do cérebro é interrompido e, como resultado, as células cerebrais são privadas de oxigênio e começam a morrer. 

Pelo menos, esperamos que muitos casos de AVC possam ser evitados, e é por isso que queremos que você saiba quais são seus sintomas e que aprenda a reconhecer os sinais de alerta que nosso corpo nos envia.

Os sintomas mais comuns tanto para as mulheres como para homens que precedem um derrame são: paralisia na face, braços e pernas; confusão; problema na visão e fala; fraqueza e tontura; fortes dores de cabeça sem causa conhecidas;

Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, no ano passado, pela primeira vez, o número de mulheres que morreram de AVC equiparou-se ao de homens, alcançando a marca de 50 mil óbitos.

Estes são os 4 fatores de risco específicos para mulheres: começar a menstruação antes de completar 10 anos; começar a menopausa antes dos 45 anos; baixos níveis de DHEA (dehidroepiandrosterona), que é um hormônio endógeno produzido pelas glândulas supra-renais; o uso de contraceptivos hormonais;

Existem sintomas únicos para as mulheres e muitas não sabem. “Muitas mulheres sofrem um derrame sem saber e, portanto, não procuram ajuda”, explica Karin Schenck-Gustafsson, do jornal Swedish Institute Karolinska Expressen.

Também é mais frequente nas mulheres o que chamamos de “acidente vascular cerebral silencioso”. É um derrame que não é descoberto, mas geralmente resulta em um problema muito maior.

Estes são os seguintes sintomas que as mulheres demonstram: desmaio; dificuldade para respirar; depressão; alucinações; náusea ou vômito; dor; convulsões; soluços.

Como evitar um acidente vascular cerebral?

Há maneiras de evitá-los, e a maioria é bastante simples. Os fatores de risco em nossa própria vida devem ser identificados para que possamos evitar um derrame no futuro. Estes são alguns dos fatores de risco mais comuns, de acordo com o estilo de vida, de um acidente vascular cerebral:

A hipertensão arterial é um fator de risco em 47,9% de todos os casos de acidente vascular cerebral. Em seguida, seguiu-se inatividade física (35,8%), colesterol alto (26,8%), alimentos não saudáveis (23,2%), obesidade (18,6%) e consumo de fumo (12,4%). %). Também diabetes, consumo elevado de álcool e estresse podem ser importantes fatores de risco.

Lembre-se de que existem estudos que mostram que as mulheres demoram mais que os homens para ir ao hospital depois de um derrame. Mas se você começar a atender a esses sinais de alerta e fatores de risco, vidas serão salvas no futuro.