Possíveis sintomas de deficiência de vitamina D que talvez sinta e não saiba.

São muitos os possíveis sinais de uma deficiência de vitamina D, um nutriente solúvel em gordura que, juntamente com outras vitaminas e minerais, ajuda a regular o funcionamento dos principais sistemas do corpo. É obtida naturalmente expondo a pele aos raios do sol, embora também possa ser encontrada em alimentos e suplementos.

É importante por ser essencial para a absorção de cálcio e fósforo, dois minerais que mantêm os ossos e os dentes fortes. Entre outras coisas, é necessária para os músculos, o cérebro, o coração, e outros órgãos cujo bom funcionamento garante uma boa qualidade de vida.

O problema é que nem todos conseguem obtê-la em níveis adequados e, por isso surgem sintomas e problemas de saúde, que tendem a piorar quando a deficiência não é tratada em tempo hábil. Por isso é importante saber como identificar e, é claro, tomar as medidas necessárias para melhorar sua absorção todos os dias. Veja abaixo alguns possíveis sintomas da deficiência de vitamina D:

Fraqueza muscular e óssea: Os músculos e ossos são mais facilmente atingidos quando os níveis de vitamina D são significativamente reduzidos. Isso ocorre porque também ocorrem desequilíbrios nos níveis de magnésio, outro mineral fundamental para mantê-los fortes e saudáveis.

Depressão: Os níveis baixos deste nutriente essencial estão associados com a tendência a sofrer de irritabilidade, depressão e mudanças bruscas de humor. A vitamina D está envolvida na secreção de hormônios do bem-estar e, portanto, sua deficiência afeta a saúde mental.

Inflamação e dor: Como muitos outros nutrientes essenciais, a vitamina D está envolvida no controle de processos inflamatórios no corpo, evitando problemas como sensibilidade à dor, ou problemas nas articulações. Seus baixos níveis aumentam o risco de sofrer esse tipo de distúrbios, dificultando a luta contra as dores crônicas.

Problemas dentais: Como já indicamos, a falta de vitamina D dificulta a absorção e o bom uso do cálcio nos dentes, aumentando o risco de infecções e perda de dentes. Isso, além dos problemas inflamatórios envolvidos, gera sintomas como vermelhidão, inflamação e sangramento das gengivas.

Pressão arterial alta: Um dos aspectos que devem ser levados em conta quando a pressão arterial aumenta são as possíveis deficiências nutricionais que estão ligadas a ela. Embora este transtorno cardiovascular seja causado por múltiplos fatores, a falta de vitamina D pode causar complicações.

Sensação de fadiga: A pouca absorção de vitamina D no corpo influencia o desempenho físico e mental, gerando uma forte sensação de fadiga nos pacientes afetados. Muitas vezes a pessoa fica sonolenta e dificilmente pode cumprir as tarefas diárias que está costumada a realizar.

Aumento do peso corporal: Uma vez que a vitamina D é um dos nutrientes solúveis em gordura, as pessoas com sobrepeso e obesidade precisam absorvê-la em maiores quantidades. Seus níveis baixos complicam a atividade metabólica e, portanto, causam dificuldades para recuperar um peso saudável.

Asma: A deficiência deste nutriente está relacionada às dificuldades no tratamento da asma, uma vez que está vinculada às funções pulmonares inferiores. Sua assimilação correta facilita o controle desse problema respiratório, pois bloqueia as proteínas que geram inflamação nos tecidos do pulmão.

Colesterol alto: Entre as funções desta vitamina no corpo está a sua relação com a limpeza do colesterol ruim (LDL) que se acumula no sangue. Uma pessoa que não consegue manter uma quantidade adequada tem maior risco para os efeitos da hipercolesterolemia.

Gripe e resfriado: Ter baixos níveis de vitamina D afeta a produção de anticorpos pelo sistema imunológico e, por isso, é mais provável que se sofra de gripes e resfriados recorrentes. O fator agravante nestes casos é que, devido à insuficiência, as vias respiratórias e os tecidos tendem a ficar mais irritados.

Problemas intestinais: Os problemas de absorção de gordura têm uma ligação com a deficiência de vitamina D e, por sua vez, influenciam o desenvolvimento de problemas intestinais. É essencial melhorar a sua absorção em casos de: Sensibilidade ao glúten (celíaca e não celíaca), Doença de Crohn, Doença inflamatória do intestino.

Suor excessivo: Com a baixa absorção deste nutriente, ocorrem alterações hormonais que podem gerar sintomas como a transpiração excessiva. É comum que o paciente sinta excesso de suor, especialmente na cabeça.

Se suspeita dessa deficiência nutricional, tente aumentar o consumo de alimentos que a contenham e, se possível, absorva-a por meio de banhos de sol curtos. Tenha em mente que o cuidado é muito importante neste caso, pois os raios do sol têm efeitos contraproducentes quando há exposição prolongada e sem proteção.