A última coisa que esta filha diz antes de perder a mãe deixa a internet chorando incontrolavelmente

Há algo no sorriso e no abraço caloroso de uma mãe que nos faz sentir em casa. Todas as nossas preocupações desaparecem e a sua voz doce enche os nossos corações de felicidade. Mas para aqueles que perderam as suas mães, os pensamentos das suas recordações felizes juntos, geralmente vêm com dor.

Erica Allen Peden perdeu a mãe recentemente e está lutando para lidar com a sua perda. Numa publicação emocionante na página Love What Matters, Erica explicou o que aconteceu no dia em que perdeu a mãe:

“Era dia 23 de abril de 2017 e eu estava deitada na cama com o meu marido, rindo de algo que um dos nossos gatos fez. Eu me levantei para me arrumar e o Nick, o meu marido, perguntou: “onde você vai”? Passava pouco das 10 horas de um domingo, e eu planejava ir ver a minha mãe, que morava a cerca de 7 minutos com o meu pai e o meu irmão, e que acabara de passar por uma cirurgia abdominal. Ela estava em recuperação. “Vou ver a minha mãe, ela quer estar comigo tipo todos os dias”, respondi.

Este é o momento de que tenho mais vergonha na minha vida. Pareci mimada e imatura, e fui. Eu não queria mesmo dizer aquilo. Foi realmente muito incomum da minha parte dizê-lo, até porque eu adorava estar com a minha mãe. Eu trabalho e moro na mesma cidade que a minha família por causa deles.

“Ela quer estar comigo tipo todos os dias”. Essa é a última frase que eu disse antes de receber a chamada que não só mudou a minha vida, como partiu o meu coração. O meu celular começou a tocar e eu atendi a chamada do meu irmãozinho só para ouvi-lo entrar em pânico e chorar. “A mãe teve um ataque ou algo assim, não sei o que fazer”, disse ele.

Leia mais: Mãe adota menino rejeitado – 28 anos depois, ela tem uma grata surpresa

Em vez de ficar ao celular para garantir que a mãe estivesse bem, Erica gritou para o irmão desligar e ligar para o 911. Não havia tempo a perder.

“Eu tinha conhecimento de algumas técnicas de primeiro-socorros, então a minha resposta imediata foi essa. Neste ponto, o Nick já estava de pé, muito preocupado, mas infelizmente minha mãe tinha morrido. Ela não teve convulsões, mas morreu de embolia pulmonar. Basicamente, ela já estava morta antes cair no chão em frente do meu pai. Duas ambulâncias foram chamadas para prestar socorro, mas não conseguiram. Eu me vestia e chorava ao mesmo tempo, porque às vezes simplesmente sabemos que um momento é o que muda toda a nossa vida.

Resumindo, o meu pai sabia que ela já não estava viva, mesmo ela estando no pronto-socorro. Tentando ele fez reanimação cardiorrespiratória nela depois de termos tido um curso rápido em casa na semana anterior, em caso de minha mãe precisar.”

“Em cerca de uma hora, a minha mãe faleceu e a minha família entrou em choque profundo. O dia 23 de outubro marca um ano e meio sem falar com a minha mãe, tocar, rir com ela, dançar ao som de Bee Gees com ela, ou ver um filme com ela, a nossa atividade favorita.

Aos 26 anos, eu sou a segunda irmã mais velha de quatro filhos. Eu tive que dar olhar nos olhos dos meus três irmãos e dizer-lhes que a nossa mãe tinha morrido, enquanto o meu pai e a minha avó estavam com ela no hospital. O meu irmão foi o único a ir para casa e limpar o tapete onde ela faleceu. Ele tinha 19 anos à época.”

Erica assumiu o controle e ajudou a sua família durante o período mais sombrio. Ela também usou a sua dor como poder de melhorar a si mesma como pessoa, e juntou-se a novos grupos comunitários, fez amizades improváveis e passou a amar muito mais as pessoas que a cercavam.

Leia também: Funcionária do mercado debocha de idosa na loja, a resposta que recebe a deixa sem palavras

“Desde a morte da minha mãe, comecei a frequentar uma igreja. Compartilho refeições semanais com a minha avó. Planejei ir à festa de formatura da minha irmã mais nova e organizei um chá de bebê para a minha irmã mais velha. Falei no funeral do meu avô, no mesmo lugar onde minha foi velada. Ainda trato o meu irmão como um bebê, e ele ainda revira os olhos para mim. Eu ligo ao meu pai ao meio-dia e às 4 da tarde, na hora do almoço da minha mãe e a hora que ela saía do trabalho.

Foi o ano e meio mais longo da minha vida. Sonhei com ela. Nesse sonho, ela abraçou-me e eu pude sentir o cheiro do perfume dela. Isso foi há um ano. No sonho, eu finalmente tive a oportunidade de lhe dizer: “eu adorei estar com você, te amo”.

Não importa a idade que se tem quando um dos pais morre. Pode ser uma morte pacífica ou algo incrivelmente chocante. Quando isso acontecer, você vai parar e pensar: “não posso acreditar que isto tenha acontecido”. É uma droga. É devastador.

“A melhor maneira de resumir isso, é algo que o criador da série “This Is Us”, Dan Fogleman, que também perdeu a mãe, disse: “A minha mãe morreu há 10 anos, inesperadamente. É era a dobradiça sobre a qual minha vida girava”. Se alguma vez houver forma de descrever este sentimento de perda total, para mim é essa.

Veja mais: Menina de 13 anos tira a própria vida após ser abusada – e a sua mãe revela carta onde ela conta a dolorosa verdade

Dê atenção à sua mãe e ao seu pai. Dê atenção aos seus irmãos. Levem os seus avós para almoçar. Planejem uma festa. Trabalhem um pouco menos. Falem com Deus frequentemente. Chorem quando quiserem e, acima de tudo, pensem em como a mão da sua mãe era suave quando ela lhe dava palmadinhas na perna e dizia que te amava.”

Todos nós devemos pensar nas as palavras de Erica, elas tocam nosso coração. Estenda a mão para as pessoas que ama, com mais frequência. Mostre-lhes que você se importa. Nunca se sabe qual será o último momento com as pessoas que amamos. COMPARTILHE!