Bebê grita “papai” no tribunal após sua adoção ser aprovada

Mandi e Tyler Palmer sempre desejaram ter um filho, mas Mandi não conseguia engravidar.

“Após vários testes de gravidez negativos, falei com os meus médicos”, disse á WTOL.

“Eles ainda tinham esperanças, mas eu me apercebi de que não podia ganhar peso. Então pensei, “como vou conseguir aguentar um bebê?”disse ela. Muitos dos seus outros objetivos foram também afetados pelo seu diagnóstico da doença de Crohn.

“Começamos pesquisar sobre a necessidade de pais adotivos na nossa área. Então, depois que conversamos sobre o assunto, oramos e inscrevemo-nos para as aulas de adoção”, explicou Mandi.

“Na mesma semana que recebemos a licença de pais adotivos, recebemos também uma chamada sobre Hunter”, afirmou ela à People Magazine.

Desde então, eles sonhavam com o dia em que a sua família seria oficial.

“Fomos buscá-lo no orfanato. Trouxemos para casa e enfrentamos a dificuldade da adoção, durante um ano inteiro”, acrescentou Mandi.

Após um ano de incertezas, o casal Palmers recebeu a notícia de que o processo de adoção começaria.

Foram ao tribunal e assinaram a papelada para tornar a sua família completa.

“Foi muito emocionante, num bom sentido. Toda nossa família e todos os nossos amigos estavam lá”, disse Mandi.

“No final da audiência, o juiz anunciou o novo nome de Hunter. Leram o decreto da adoção, e foi então que Hunter olhou para o meu marido e disse, ‘papai!’”.

“Ele começou a bater palmas, enquanto todos choravam”, recordou ela.

“Foi muito emocionante. Fiquei muito satisfeita”.

Apesar de Mandi e do seu marido estarem hesitantes sobre a entrada no programa de adoção, Mandi sentiu que Deus ia ajudar.

“Oramos, e sentimos que Deus nos ajudou”, disse à People.

Agora, Mandi sabe porquê. A sua família está oficialmente completa, e Hunter tem o mesmo sobrenome que os pais.

Fonte: liftable

Crédito foto: liftable