Menina de 13 anos tira a própria vida após ser abusada – e a sua mãe revela carta onde ela conta a dolorosa verdade

Esta é a história de Cassidy Trevan, uma jovem de Melbourne, Austrália, que infelizmente foi vítima de bullying e sofreu de forma física e psicológica.

A jovem era agredida e zombada pelos colegas, e a certo ponto deixou de ir à escola, durante um semestre. Após esse período, Cassidy decidiu voltar à escola e as colegas que faziam bullying pediram perdão e perguntaram se ela queria ser amiga delas e ir a uma festa com elas.

Leia mais: Adolescente com Síndrome de Down ouve gritos – depois, ele pula na água e salva duas meninas se afogando

Como queria muito ter amigos, Cassidy acabou aceitar o convite, sem fazer ideia que elas estavam planejando levá-la para uma casa na vizinhança onde estavam dois rapazes mais velhos que iam abusar dela.

Então, as colegas ficaram na parte externa da casa, e deixaram Cassidy lá dentro, sendo abusada, e depois de toda esta situação traumática a mãe dela ajudou-a a mudar de escola.

Contudo, as colegas continuavam a persegui-la e até a atacaram numa loja, contribuindo para que Cassidy ficasse cada vez mais deprimida e nem conseguisse sair da cama.

Infelizmente, em dezembro de 2015, Cassidy cometeu suicídio, e a mãe dela decidiu revelar a carta que a jovem escreveu antes de morrer:

“Eu era uma aluna da escola (X) e fui abusada por alunos que ainda estudam lá. A minha intenção é alertar outras pessoas (alunos principalmente, mas também os pais) sobre o que acontece, porque eu me preocupo com a possibilidade de eles fazerem isso com outras meninas como eu.

Veja também: Funcionária do mercado debocha de idosa na loja, a resposta que recebe a deixa sem palavras

Você tem o poder de parar isso. Lembrem-se que as pessoas que fizeram isso estudavam comigo. É difícil de acreditar, eu sei. Mas é verdade. Não estou fazendo isso para me vingar dos alunos que abusaram de mim, planejaram tudo e me fizeram bullying por causa disso.

Estou fazendo isso porque todos os 1500 estudantes, entre 7 e 12 anos, que estão matriculados nesta escola precisam ficar alerta. Eu sinto pelo que aconteceu comigo, e pelo fato da escola não ter feito nada para me ajudar (vou falar um pouco mais sobre isso depois). É meu dever alertar vocês para o que aconteceu (não só pelo que terem ouvido na escola, mas para o que realmente aconteceu).

Mas também estou fazendo isso por mim. Quero, finalmente, ficar em paz depois de um ano e meio. É surpreendente o número de alunos da escola que ouviram histórias sobre mim e que, estranhamente, continuam falando coisas sobre mim até hoje. Ainda recebo mensagens de colegas que nunca me conheceram me chamam de vagabunda pelo Facebook. Mudei de escola, de casa, e ainda entram em contato comigo para fazer bullying…

Leia também: Mulher casa com um homem deficiente. Mas durante o casamento ela vivencia a surpresa da sua vida

O meu nome é Cassidy Trevan, e fui abusada. Se alguém tentar fazer isso com você, acredita: vale a pena lutar! Lute! Se não fizer isso vai se arrepender para o resto de sua vida como eu. Você pode fazer isso. Fique salvo.”

Uma carta emocionante que deve ser partilhada para evitar que mais casos acabem como o de Cassidy.

COMPARTILHE!