Pai recusa-se a levar a filha à escola no carro como forma de castigo

Na maioria das vezes, ouvimos apenas o lado da vítima quando histórias de bullying viralizam. Mas o que acontece com quem comete o bullying? Pode simplesmente ficar impune em relação às suas ações cruéis ou são tomadas medidas reais para melhorar o seu comportamento?

Bem, se for como o pai de Swanton, Ohio, agir rapidamente pode impedir que os seus filhos magoem os outros. A mensagem contra o bullying de Matt Cox viralizou depois dele publicar um vídeo do castigo da sua filha de 10 anos.

Algumas pessoas elogiaram a sua atitude, mas outras criticaram-no por “intimidar” a própria filha. Independentemente da opinião, a abordagem de Matt é algo que você deveria ver…

Matt soube do mau comportamento da sua filha depois dela ser expulsa do ônibus escolar por vários dias. Ela estava fazendo bullying a outro aluno e o motorista do veículo teve que intervir. Mais tarde, a filha de Matt, Kirsten, chegou em casa com a cabeça baixa e disse que ia precisar de carona para a escola nos próximos dias.

O sangue de Matt começou a ferver – o bullying simplesmente não seria tolerado na sua casa. Então, em vez de levar Kirsten à escola, ele disse para ela ir andando enquanto ele a seguia de perto no seu carro. Mesmo que ela estivesse de castigo, ele não queria arriscar a sua segurança. Matt escreveu:

“Eu sei que muitos de vocês, pais, não vão concordar com isto e está tudo bem. Eu estou fazendo o que acho certo: ensinar à minha filha uma lição para impedi-la de intimidar os outros.

Resultado? Lição aprendida. Ela está bem fisicamente, está feliz e saudável e parece ter uma nova perspetiva sobre o assédio moral, bem como uma nova apreciação de algumas das coisas simples da vida que ela costumava dar como garantidas.”

Apesar de algumas pessoas não concordarem com seu método, Matt disse que se recusa a deixar a sua filha ser parte do problema. Ele fará tudo o que estiver ao seu alcance para garantir que Kirsten seja uma parte positiva da sociedade – não uma pessoa que faz os outros sentirem-se mal consigo mesmos.

“Os pais precisam responsabilizar os seus filhos. Então, eu mostrei como responsabilizo a minha. Não vou ser outro pai que vai varrer as coisas para debaixo do tapete e dizer: coisas de crianças…”, explica Matt.

Ter de caminhar para a escola certamente estará na cabeça de Kirsten da próxima vez que ela tiver vontade de mexer com alguém!

E você, o que acha? COMPARTILHE!